Sure, resenha: A lista negra de Jennifer Brown

15:00:00



Valerie e Nick são dois adolescentes que namoram, e ambos são alvos de bullying por parte de seus colegas do Colégio Garvin. Saturados, eles compartilham suas angústias num caderno com o nome de todos e tudo que odeiam, como forma de desabafo, pelo menos para Val.  
Há alguns meses Nick Levil, namorado e melhor amigo de Valerie atirou contra vários alunos na cantina da escola. Val é atingida ao tentar detê-lo, e também acaba salvando a vida de colegas que a maltratavam, e Nick atira em si mesmo, e morre no local.

Essa por si só já é uma história e tanto, mas, é depois de todo esse acontecido que o livro realmente começa: Valerie ainda está viva e depois de tanto tempo tem de voltar para a escola.

E é nesse clima super pesado que iniciamos a resenha, e eu já digo logo pra vocês: Não vai ser fácil!
"A lista negra" é um livro com um tema muito atual, mas com muuuitas situações complexas. Eu me perdi em muitos sentimentos ao lê-lo e dessa forma é até um pouco difícil colocar em palavras, mas, farei o meu melhor.

Valerie, nossa personagem principal e narradora,  passa o verão reclusa em seu quarto, recuperando-se do tiro que levou de seu namorado enquanto tentava parar o tiroteio. Agora, depois de muita terapia ela precisa voltar para o mesmo colégio onde tudo aconteceu e dar continuidade aos seus estudos. E é nesse contexto que a história se inicia. 


No começo conhecemos uma Val confusa, e até mesmo destruída. As pessoas estão dividas sobre ela: A heroína que parou os tiroteios, ou a vilã que a começou o caderno "A lista negra"? Ela também não sabe responder. Além de tentar descobrir o que ela realmente é, a menina ainda tem de lidar com a hostilidade de seus colegas do Colégio Garvin.




Conforme acompanhamos a narrativa de Val e sua história vamos entendendo melhor todas as situações. Val relembra muito momentos antes do tiroteio e toda sua vida antes dele, e com isso podemos enxergar  tudo com outra perspectiva: a de que nada aconteceu por um acaso. 


Em suas lembranças vemos um Nick Levil diferente das reportagens que aparecem no livro, e oposto do que as pessoas veem. Vemos um Nick que acolheu Val, e que era seu porto seguro, entre pais distantes que brigam o tempo todo, e apelidinhos de colegas no colégio Garvin. Conhecemos o Nick além do atirador. O Nick que tinha uma mãe divorciada, que era engraçado e por muitas vezes apanhava dos atletas de seu colégio.




Além disso, temos a outra cara da moeda. Acompanhamos também a situação nessa escola, que passou por esse tiroteio. As pessoas que sofreram sequelas dele, e que em outro momento não eram de todo pessoas boas, e praticavam o bullying. Essas que agora são vitimas. Podemos ver que algumas tentam virar o jogo e transformar o acontecimento em aprendizado para se tornarem pessoas melhores, e outras continuam as mesmas.


O mais legal é que ao longo da história tudo acaba se encaixando. Val não é só vitima, nem só culpada. Ela também alguém que sofreu com acontecimento. Ela também é alguém que teve raiva por que foi alvo de piadas e apelidos infames. Ela é alguém com um pai totalmente babaca, que por vezes a culpa. E ela também é a menina que apesar de tudo quer recomeçar.


"A lista negra" é um livo com muitas questões, que vai inevitavelmente te fazer refletir. Muitos disseram por ai que ele é uma leitura obrigatória e eu concordo. Acho que apesar de ser uma leitura que por vezes é forte e densa ele causa um bom impacto ao leitor e trás atona discussões necessárias.


Jennifer Brown arrasou com esse tema, e na construção muito bem feita dos personagens dessa história.  Terminei a leitura chorando, mas com a sensação de que o livro tinha cumprido seu verdadeiro papel: Não somente o de emocionar, mas o de fazer pensar, e muuuito.





You Might Also Like

4 comentários

  1. A Pam Gonçalves sempre fala desse livro no canal dela e eu sou louca pra ler. Deve ser meio angustiante, né? ;(

    ResponderExcluir
  2. Oiii Paloma. :)
    Aí meu gzus, como lidar com esse livro, é claro que também o li quando no ano retrasado a Pam falou sobre ele, e foi assim que descobri a tortura que é ler Jennifer Brown, mas também como disse são histórias que nos fazem refletir.
    A resenha ficou ótima e retratou bem o livro.
    Beijo

    www.tecontopoesia.com

    ResponderExcluir
  3. Realmente o clima da história é bem tenso. O Bullying é um tema muito atual que precisa mesmo ser discutido e levado a sério. Tenho certeza que é um livro que nos faz refletir :)

    Beijos!!
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  4. Oi Paloma
    Ah, quero ler este livro.
    Adorei a resenha e o blog :)
    Tbe estou no Clube de Cartas
    Bjks mil

    www.blogdaclauo.com

    ResponderExcluir

Converse com a gente ♥

recent posts